1 Mero Desplugado #3 – O que é o “Totalismo Liberal”

            No episódio de hoje eu vou te explicar o que é o totalitarismo liberal.

            Eu sei que o termo soa estranho, meio contraditório. Afinal, como pode haver totalitarismo no liberalismo?

            A primeira coisa que você tem que entender é que, ao contrário do que comumente se pensa, o sistema liberal não permite tudo. A liberdade de expressão não é absoluta dentro do liberalismo.

            O sistema liberal permite que você fale muitas coisas mas, certos assuntos dentro de um lugar, que aqui chamarei de núcleo sólido do sistema, não podem ser falados.

            Tudo aquilo que está fora do núcleo sólido do sistema, você pode falar. Ou seja, nesse sentido a liberdade dentro do sistema liberal é uma liberdade negativa.

            Negativa no sentido que você pode falar qualquer coisa, desde que o assunto NÃO esteja dentro do núcleo duro.

            Se o que tu falar estiver fora, no núcleo liquido do sistema tudo bem, você vai conseguir falar e não terá problemas. Agora se você falar algo que esteja dentro no núcleo sólido, você vai ser censurado.

            Dentro do núcleo sólido, existem os “não-assuntos”. Que, se eu entendi direito como funciona o liberalismo, são as bases de sustentação do sistema todo.

            Acho que fica mais fácil de entender com um exemplo.

            No sistema liberal você NÃO pode falar contra a democracia. Isso porque a democracia é uma base do sistema.

            Então, sempre que você falar contra a democracia o sistema vai te cortar, porque é um assunto do núcleo sólido. Você precisa NÃO permitir esse assunto porque esse assunto pode derrubar o sistema. Ok?

            O núcleo sólido, as vezes de tempos em tempos, sofre uma influencia do núcleo líquido e, de tempos em tempos, assuntos são colocados e tirados de dentro do núcleo sólido.

            Por exemplo, antigamente nos EUA você podia ser racista, o núcleo sólido permitia, hoje não mais. O racismo foi colocado para dentro do núcleo sólido e hoje, se você for racista o sistema vai te punir.

            Algum ouvinte agora talvez esteja pensando: “Qual o problema disso Homero? Qual o problema de não poder falar contra e democracia e não poder ser racista? Eu não vejo problema nenhum Homero.”

            Eu devo concordar contigo ouvinte. Eu também não tenho problema em proibir as pessoas de falarem contra a democracia e também não tenho problema em proibir o racismo.

            Só que o sistema possui uma falha muito grande, que é a seguinte: o que acontece quando se joga dentro do núcleo sólido algo que não deveria estar lá?

            Nesse caso, vai se gerar uma injustiça porque pessoas que não deveriam ser punidas acabarão sendo. E, na minha opinião, esse é o principal problema da democracia contemporânea.

            Hoje vivemos em um mundo onde o núcleo sólido do regime liberal se expandiu de um modo tão grande que quase não há espaço mais para o núcleo líquido. Ou seja, ao contrário do que Zigmund Baumann pensava, o sistema liberal não está se liquefazendo, é exatamente o contrário, está se solidificando.

            Existem vários assuntos que foram jogados para dentro do núcleo sólido. Vou citar um só, um que acho que não vai me causar tantos problemas, o chamado “Discurso de ódio”.

            Hoje em dia, os assuntos que caem na categoria discurso de ódio estão dentro do núcleo duro, ou seja, são assuntos que se você falar você vai ser atacado pelo sistema que, vai te censurar afirmando assim estar te protegendo de conteúdos nocivos.

            O problema é que, dependendo da interpretação, praticamente qualquer coisa que você fale pode cair nessa categoria.

            E dai você entra na seguinte questão: quem afinal, decide o que é discurso de ódio? Afinal, a expressão “discurso de ódio” é uma expressão genérica, vaga e de múltiplas interpretações.

            Eu respondo: quem vai decidir é uma grande corporação privada de tecnologia.

            Isso só reforça um ponto que eu venho falando já há muito tempo, no mundo liberal quem controla tudo não é o povo, quem controla tudo são as grandes corporações. E no caso do Brasil é pior ainda, pois são grandes corporações alienígenas, as chamadas ETNs (na linguagem do Adriano Benayon), as empresas transnacionais.

            Ou seja, quem controla o que pode e o que não pode ser dito no Brasil pelos brasileiros são grandes corporações estrangeiras e, se elas não gostarem do que você disse, você será enquadrado por discurso de ódio.

            E o problema não termina aí. Se você questionar isso, você também será censurado pelo sistema liberal. Isso porque, a defesa da propriedade privada está também dentro do núcleo sólido do sistema, é uma das bases do sistema.

            Digamos que você comece a se perguntar: “Só porque esses engravatados são os donos das empresas isso dá a eles o direito de decidir o que será e o que não será falado em meu país? Quem foi que deu a eles esse direito? Só porque a empresa é deles eu tenho que dizer o que eles pensam?”

            Se você fizer isso e tiver repercussão, você será cortado do sistema. Existem coisas que você não pode questionar no mundo liberal e, a propriedade privada como valor absoluto e inflexível é uma delas.

            E aí que você começa a entender o que Dugin chamava de totalitarianismo liberal.

            Elas, as corporações de tecnologia, decidem o que você pode ou não dizer. Elas, decidem qual deve ser sua postura na internet e, se elas não gostarem de você, elas vão usar algum termo genérico como “discurso de ódio” e você será privado de uma vida virtual no lugar onde todos estão, dentro delas, das empresas de big tech.

            E, como o humano possui uma natureza tribal, é quase como se você fosse um exilado de sua tribo. Banido por questionar, banido por apontar que existe um elefante na sala.

            Se isso foi feito com o presidente dos EUA, porque você acha que não irá acontecer contigo?

            E o mais incrível sobre isso no Brasil é que, se você questionar e quem sabe levantar a ideia que essas grandes empresas deveriam ser regulamentadas, daí vai vir um liberal e vai dizer para ti que não pode.

            Provavelmente um liberal que se diz liberal na economia e conservador nos costumes, olha que legal.

            O cara defende a liberdade econômica e, por defender a liberdade econômica ele acaba por defender empresas que lá na frente, acabarão atacando ele mesmo. É quase como se alguém protegesse filhotes de cobras.

            Dai a cobra cresce, morde o cara e ele vai reclamar. Vai dizer que “são os comunistas”. Ele não vai ver que são grandes corporações liberais oprimindo ele e a cultura do Brasil, isso porque ele foi doutrinado virtualmente para pensar desse modo.

            Entenda ouvinte, o processo de doutrinação não ocorre somente por professores de história e filosofia maconheiros sojados veganos lula livre, as grandes corporações também podem e também te doutrinam para que tu pense do modo que elas querem que tu pense.

            O brasileio médio foi doutrinado para ver todos os problemas da vida dele em outros lugares mas não nas ETNs. Ou seja, existe um sistema feito para que você não veja que existe um elefante na sala.

            Não que eu odeie o liberalismo e que eu seja contra o liberalismo. Acho que o liberalismo trouxe muitas coisas boas para a humanidade, muitos avanços.

            Só que o liberalismo de hoje é um liberalismo muito diferente do que o liberalismo foi no passado. No liberalismo do passado o núcleo sólido do sistema era muito pequeno e, esse sistema servia para garantir a sua liberdade de expressão.

            Hoje, o liberalismo transformou-se em um monstro que cada vez mais se expande e cada vez mais te priva de liberdades. Cada vez mais você tem menos assuntos que você pode falar e, cada vez mais, grandes corporações alienígenas expandem sua capacidade de ditar o que pode e o que não pode ser dito no debate público brasileiro e mundial.

            O liberalismo moderno, muito diferentemente do liberalismo clássico, transformou-se em uma forma moderna de totalitarismo. A diferença do totalitarismo clássico para o totalitarismo liberal é que no liberal quem manda em você é uma ETN e não o estado.

            Mas, tanto no totalitarismo liberal quanto no totalitarismo clássico, se você não andar na linha, se você não tiver as opiniões que as ETNs querem que você tenha, você será atacado fortemente sem dó nem piedade pelo sistema.

            A vida as vezes é muito irônica. Antigamente o liberalismo garantia a tua liberdade, hoje o liberalismo é uma das principais forças que te priva dela. Do mesmo modo, também ironicamente, a rede social que mais garante a liberdade dos usuários hoje  é o telegram, uma rede social russa. Rússia essa que, no passado, era o principal adversário da liberdade nos tempos da guerra fria.

            Nem toda mudança é boa, hoje a chamada sociedade aberta está cada vez mais fechada, cada vez mais sólida e nosso futuro é sombrio, caminhamos a passos largos para uma realidade cyberpunk onde grandes corporações controlarão as nossas vidas.   Mas ei, pelo menos não é o estado te controlando né amiguinho ancap?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *